Tuesday, October 10, 2006

Entre os teus lábios


Entre os teus lábios
Entre os teus lábiosé que a loucura acode,desce à garganta,invade a água.
No teu peitoé que o pólen do fogose junta à nascente,alastra na sombra.
Nos teus flancosé que a fonte começaa ser rio de abelhas,rumor de tigre.
Da cintura aos joelhosé que a areia queima,o sol é secreto,cego o silêncio.
Deita-te comigo.Ilumina meus vidros.Entre lábios e lábiostoda a música é minha.
de «Poesia e Prosa», O Jornal/Limiar, Lisboa, 1990
Eugénio de Andrade

1 Comments:

Blogger oasis dossonhos said...

Se me permites, vale a pena depois do coppy past separar os espaços entre as palavras de Eugénio, senão o poema não respira.

2:20 PM  

Post a Comment

<< Home