Tuesday, October 03, 2006

Vindima


Vindima

Mosto, descantes e um rumor de passosNa terra recalcada dos vinhedos.Um fermentar de forças e cansaçosEm altas confidências e segredos.

Laivos de sangue nos poentes baços.Doçura quente em corações azedos.E, sobretudo, pés, olhos e braçosAlegres como peças de brinquedos.

Fim de parto ou de vida, ninguém sabeA medida precisa que lhe cabeNo tempo, na alegria e na tristeza.

Rasgam-se os véus do sonho e da desgraça.Ergue-se em cheio a taçaÀ própria confusão da natureza.

In “O outro livro de Job”

Miguel Torga
(Portugal, 1907-1995)

0 Comments:

Post a Comment

<< Home